Palmas, quarta 17 de julho de 2019

Esportes Aquáticos

Tocantinenses se destacam na Copa Basa de Canoagem

25/06/2012 08h40


No sábado, 23, a Praia da Graciosa, em Palmas, amanheceu com uma movimentação diferente. Várias canoas movimentando as águas do Lago da Usina Hidrelétrica Luiz Eduardo Magalhães deram um ar mais charmoso á praia mais conhecida da capital do Tocantins. A cena, que chamou a atenção de quem passava pelo local, foi possível graças a Copa Basa Tocantinense de Canoagem foi realizada no local.


Cerca de 80 competidores, de estados como Paraná, Pará, Distrito Federal , São Paulo e Tocantins, participam do evento, que tem formato de maratona. Nas provas, divididas em masculinas e femininas e em modalidades individual e dupla, os atletas tem que completar os 15 km de percurso.


As meninas foram as primeiras a entrar na água. Sete competidoras lutaram com bastante garra pela vitória, que foi conquistada pela campeã panamericana de canoagem, a tocantinense Ediléia Matos. A portuense, de 16 anos, destacou que vencer em casa é muito bom por garantir uma boa apresentação para a família, amigos e para o publico que torce para ela. “Ganhar em casa sempre tem um gosto melhor”, finalizou.


A prova masculina também foi bastante acirrada e também teve tocantinense vencendo a disputa. Rogério Índio, que em entrevistas anteriores a prova disse que seria difícil conquistar bons resultados por que estava se achando fora de forma, conquistou o primeiro lugar.


À tarde foram realizadas as provas da categoria k2, ou seja duplas. Na competição feminina quem levou a melhor na disputa foi a dupla tocantinense Ediléia e July. Já no masculino a vitória foi conquistada pelos paraenses Hiel Gesã e Winderson Patrick.

Os competidores destacaram que a participação na prova é um pouco diferente do habitual. Para o vencedor do K1 masculino, Rogério Índio, a prova, que é uma maratona, exige muito mais do atleta que tem que adotar estratégia diferente das provas em que eles estão acostumados. “ O normal são provas de velocidade e explosão. A estratégia tem que ser diferente”, explicou.

O paranaense, de Cascavel, Juliano Crai, destacou que a prova, realizada no Tocantins, mostra o crescimento da canoagem no Brasil. “ A competição abre as portas para novos talentos e oportunidade de integração dos atletas do esporte”, disse Crai ao enfatizar que “são raras as provas em formato de maratona no país”.

Crai, que participou da competição pela terceira vez , conquistou, junto com Matheus Costa, o segundo lugar na categoria k2 senior. De acordo com ele, a maior dificuldade do evento é a diferença de clima da região de treino para a competição. “A gente treina em um lugar bastante frio e chega aqui pega um calorzão desses”, destacou ao falar que alteração climática é uma barreira para bons resultados na competição.

Já o paraenese Hiel Gesã, que foi campeão brasiliero de canoagem oceanica por dez vezes, e que conquistou, junto com Winderson Patrick, o primeiro lugar na categoria k2 senior, a grande dificuldade da disputa são as oscilações da água. Como foi a primeira vez que ele participou de uma competição nessa modalidade,, a grande preocupação era a formação de ondas no lago.


(SEJUVES)

   

Comentários (0)

  • Nenhum comentário publicado. Clique aqui para comentar.